Hot! Vida eremítica

IMG_3246

A vida eremítica é um estilo de vida consagrada caracterizada pela  busca da face de Deus na solidão; organizada na forma de solidão individual ou comunitária. É uma vida essencialmente contemplativa. É um estilo de vida que tende para o essencial e o radical. É uma vivência radical do próprio batismo.

 

O Espírito Santo que fecunda a Igreja com seus dons e carismas, desde os primeiros séculos suscitou entre os crentes, homens e mulheres, para o seguimento de Jesus no deserto através da solidão, silêncio, oração e da contemplação, imitando seu estilo de vida austera e penitente durante os quarenta dias e quarenta noites, antes de começar sua vida pública e anunciar a Boa Nova do Reino de Deus.

 

Este estilo de vida solitária, tão presente na Igreja primitiva com os Padres do Deserto, fiel a Jesus orando sozinho na montanha, foi a primeira forma de vida consagrada, reconhecida pela comunidade cristã.

 

O eremita dedica “sua vida ao louvor de Deus e a salvação do mundo através de uma separação mais rigorosa do mundo pelo silêncio da solidão, pela assídua oração e penitência” (CIC, c.603).

 

O eremita, impulsionado por um amor apaixonado por Jesus Cristo, está presente, porém, de maneira muito particular, em nosso mundo, situando-se com a sua contemplação no coração da Igreja. Esta contemplação, no entanto, não o faz estranho na criação, nem aos seus irmãos, porque o Espírito que faz novas todas as coisas, humaniza o coração contemplativo, tornando-o mais fraterno, solidário e acolhedor.

Este estilo de vida consagrada, têm como espaço, ou lugar de realização o silêncio e a solidão do deserto mais profundo, de acordo com as palavras bíblicas: “Te levarei ao deserto e te falarei ao coração”. Este deserto é um dom do Espírito, que cria as condições necessárias de silêncio e solidão para escutar a Palavra, e isto seja na montanha ou na cidade; fazendo da cidade o próprio deserto, graças ao Espírito, porém sempre com “uma separação estrita do mundo” (CIC, c.603), característica própria do anacoreta (eremita).

 

“Escondida aos olhos dos homens, a vida do eremita é pregação silenciosa daquele ao qual entregou sua vida, pois é tudo para ele. É um chamado peculiar a encontrar no deserto, precisamente no combate espiritual a glória do Crucificado”. (Catecismo da Igreja Católica, n921)

Para o homem e a mulher empenhados em progredir na fidelidade à vocação evangélica, é conveniente destacar os valores e a utilidade deste estilo de vida consagrada:

 

  • Despojamento: o eremita se despoja de seguranças e de propriedades: é pobre até o desnudamento. A pobreza como opção de liberdade em relação às ambições, aos acúmulos e aos egoísmos, significada pela essencialidade e frugalidade, é cume do eremitismo. O desapego favorece a descoberta e a estima do essencial e facilita a partilha.

 

  • Silêncio: o eremita torna-se amigo da palavra cultivando o silêncio. O silêncio do eremita não é mutismo, incomunicabilidade, recusa do diálogo. Ao contrário, é reapropriação da autonomia de conceber idéias; é escuta das vozes que sussurram na interioridade calma ou nas alturas da contemplação. Esse silêncio é veículo de comunicação.

 

  • Purificação: toda a ascese do eremita é uma procura da purificação, isto é, da pureza do coração, a qual permite ver a Deus. O caminho da purificação sobe entre renúncias e escolhas, entre penitência e mortificações, entre equilíbrio, realismo e essencialidade. A purificação eremítica é proteção do coração, é a busca da essencialidade.

 

  • Pacificação: a ascese e a solidão são guias para a pacificação e ao mesmo tempo, são dons da pacificação. Ela começa com o autocontrole, continua com a compaixão e termina com a disponibilidade para as obras de paz.

 

  • Consciência: em todas as situações a consciência é condição da verdade e do valor. A consciência é conhecimento e convicção. Na linha da espiritualidade, a consciência é convicção de que os valores – incluindo os que germinaram no ermo e os que estão disponíveis nos itinerários das metáforas do eremitismo atual – são dons do Espírito e frutos da disponibilidade operosa do discípulo do Senhor.

 

“Além dos institutos de vida consagrada, a Igreja reconhece a vida eremítica ou anacorética, com a qual os fiéis, por uma separação mais rígida do mundo, pelo silêncio da solidão, pela assídua oração e penitência, consagram a vida ao louvor de Deus e à salvação do mundo.

(CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO, cân. 603.)

Ermida São João Batista

(Carisma e Missão)

 

É um eremitério (lugar onde vive um eremita) diocesano, que vive o carisma da reparação ao Santíssimo Sacramento, pela adoração, penitência e caridade.

Guiado pela espiritualidade beneditina em união com a Virgem Maria, nesta casa (ermo), se procura viver o Evangelho com simplicidade, tendo como único modelo a Cristo crucificado  e imolado no Santíssimo Sacramento.

Na vida eremítica o apostolado consiste no testemunho da própria vida e na intercessão e súplica pelas necessidades dos irmãos e irmãs, e de toda a Igreja diocesana.

Nossa principal tarefa na Igreja é o serviço de adoração e reparação ao coração de Cristo, e a imolação da própria vida pelo bem da Igreja, do santo Padre, de nosso Bispo e de todo o povo de Deus.